terça-feira, 23 de agosto de 2011

Textos para 7a. série / 8o. ano - 4o. bimestre

13. Peru e México: a herança pré-colombiana (uso do vídeo)
Profa. Celina – Geografia – 7ª. série

Um dos pontos turísticos mais visitados da América é a praça do centro da capital do México: Zócalo. Ali, a catedral católica per­manece sustentada sobre as ruínas do templo mais importante de Tenochtitlán, a antiga capital dos astecas. Ao lado da igreja está o palácio do governo, situado sobre a residên­cia de Cuauhtémoc, o chefe asteca morto pelo espanhol Hernán Cortés, quando Tenochtitlán foi conquistada, em 1521. Assim como a ca­pital asteca, Cuzco, no Peru, teve destino se­melhante, sendo dominada pelo conquistador espanhol Francisco Pizarro. Na guerra de con­quista, Pizarro mandou executar o imperador inca Atahualpa, fundir os abundantes metais preciosos em barras e atear fogo em tudo o que estivesse pela frente.
Apesar do violento processo de ocupação dos conquistadores europeus, a colossal arquitetura das civilizações que se desenvolveram na Amé­rica pré-colombiana não foi total­mente destruída. Vamos utilizar esse rico acervo para estudar a presença de elementos (obras e acontecimentos) do passado na dinâmica da vida atual.
Um acervo de figuras pode auxiliar na compreensão da for­mação da Cidade da México. Quem visita Zócalo, a praça central da cidade, observa as escavações do que sobrou do antigo templo asteca, denominado Templo Mayor. Nesse lo­cal há um museu com a reprodução da antiga cidade asteca, uma maquete, como vemos na figura da página 3 do caderno do aluno.
Tenochtitlán era uma cidade impressionante. As crônicas dos conquistadores descrevem uma cidade com mais de 300 mil habitantes, maior do que a grande parte das cidades européias do sécu­lo XVI. Como Tenochtitlán estava situada numa ilha do lago Texcoco, onde se cruza­vam diversos canais, poderia ser considera­da uma Veneza do Novo Mundo. Por meio do “Mapa do sítio urbano de Tenochtitlán”, na página 4 do caderno do aluno, observamos como era o sítio urbano de Tenochtitlán na época da chegada dos espanhóis.
A sobrepo­sição da atual Cidade do México, com mais de 18 milhões de habitantes, ao sítio antigo, pode ser observada no mapa “A ocupação urbana no antigo lago Texcoco”. A Cidade do México cresceu sobre o antigo lago Texcoco. A única explicação para isso é o aterramento do fundo do lago, um processo é bem antigo, como no caso das chinampas (trecho na parte superior do mapa com símbolo que parece um acento circunflexo), uti­lizadas desde a época dos astecas para uso agrícola. Evidentemente, a expansão da ci­dade moderna também gerou aterros para a construção de loteamentos.

A herança  das comunidades indígenas
Assim como a civilização asteca é resulta­do do desenvolvimento cultural de povos que viveram na área do atual México, os incas her­daram a cultura dos habitantes dos altiplanos andinos.
Vamos assistir ao filme “Reino nas nuvens”, da série Terras Místicas. Produzido em 1997 pela empresa canadense The Duncan Group, dura cerca de 25 minutos. Por meio do relato da construção de Machu Picchu, anotem dados a respeito da história do império inca e da herança cultural deixada às comunidades indígenas atuais.
Não se sabe ao certo por que Machu Picchu foi erguida, pelos incas, a 2 800 metros acima do nível do mar e distante 112 quilômetros de Cuzco, capital do império inca. Trata-se de um lugar de difícil acesso e, ao mesmo tempo, ma­jestoso e complexo. Entre as hipóteses admiti­das pelos pesquisadores, pode-se destacar:
1. era uma cidade estratégica fortificada na fronteira de uma região com povos belicosos (que gosta de guerra);
2. era uma espécie de convento para acolher as mulheres escolhidas pelo imperador;
3. era um centro de estudos astronômicos e de culto aos astros.
As características culturais da civiliza­ção inca são as técnicas construtivas avançadas dos incas, seus sistemas de cultivo em terraços e a sofisticação do artesanato.
Muitas comunidades indígenas da Cordilheira dos Andes vi­vem no meio rural, preservando esses valores culturais, como antigas práticas agrícolas e a destreza nos trabalhos artesanais.

A diversidade cultural por meio de gráficos
Em virtude do violento processo de domina­ção do continente americano pelos colonizadores europeus, a população nativa foi dizimada e, em muitas regiões, praticamente extinta. No final do século XX, os povos indígenas repre­sentam cerca de 8% da população da América Latina. Para estu­dar essa realidade, observe a tabela “América Latina: população indígena estimada em alguns países”, na página 7 do caderno do aluno. Ela apresenta a população indígena em número total de habitantes (termos absolutos) e em porcentagem (termos relativos).
Em ter­mos absolutos, ape­sar de a maior parte da população da Bolívia ser indígena, o México apresenta o maior contingente de representantes ameríndios (índios americanos). Os países que apresentam maior porcentagem de po­pulação indígena são o México, a Guatemala, o Peru, o Equador e a Bolívia que, do ponto de vista da Geografia Física, apre­sentam cordilheiras montanhosas em comum.
A distribuição da população indígena na América Latina é muito desigual. O altiplano das cordilheiras montanhosas da América La­tina foi o centro das civilizações pré-colombianas, aglomerando um contingente populacional maior do que o das planícies costeiras. Os adensados núcleos de povoamento ameríndio foram transformados em reserva de mão de obra pelos colonizadores espanhóis.

14. Brasil e Argentina: as correntes de povoamento

Vamos construir o conceito de for­mação territorial por meio da análise do processo de povoamento e valorização do espaço brasileiro e do argentino. Os países e seus territórios resultam de processos históricos, muitas vezes, bastante diferentes entre si. O Brasil é o único tributário do domínio português sobre grandes extensões de terras situadas na América; a Argentina, por seu turno, nasceu da desagregação do vasto império espanhol na América. Os vetores de apropriação e valorização de ambos os territórios são expres­sões dessa diferença crucial.
Começaremos pelos dados relativos à densidade demográfica do Brasil e da Argentina.
Den­sidade demográfica é a medida do grau de concentração populacional em deter­minada área, dada pelo quociente entre a po­pulação absoluta e a sua extensão territorial.


densidade demográfica = população absoluta dividida pela área


Dividindo-se a po­pulação brasileira (183.987.291 habitantes em 2007) pela extensão territorial do país (8.514.877 km2), obtemos uma densidade demográfica média de 21,6 hab./km2, relativamente baixa para os padrões mundiais. A população brasileira não é uniformemente distribuída pelo território do país. A tabela serve como ele­mento para essa explicação.
De acordo a tabela “Brasil: população e densidade demográfica, por estado”, na página 13 do caderno do aluno, Roraima é a úni­ca Unidade da Federação com densidade demo­gráfica inferior a 2 hab./km2, em 2007, enquanto Rio de Janeiro, Distrito Federal, São Paulo e Alagoas apresentam densidades demográficas superiores a 100 hab./km2 no mesmo ano. A elevada densidade demográfica do Distrito Federal é relativamente fácil de explicar, já que ele ocupa uma área relativamente pequena. Os Estados da Região Norte apresentam densidades demo­gráficas bastante inferiores à média nacional. É importante também destacar que, no Brasil, as maiores densidades demográficas estão lo­calizadas nas proximidades do litoral, devido à história de povoamento do país. Como se sabe, a colonização portuguesa priorizou principal­mente a exploração da faixa litorânea, gerando uma apropriação esparsa e desigual do interior.

Os movimentos colonizadores no século XVI
Utilizaremos documentos cartográficos para analisarmos os vetores da expansão colonial portuguesa e espanhola na América do Sul entre os séculos XVI e XVIII, em especial nos territórios que mais tarde viriam a pertencer ao Brasil e à Argentina.
O mapa “Américas do Sul e Central: rotas de colonização”, na página 17 do caderno do aluno, destaca as rotas de coloniza­ção na América Portuguesa e na América Hispânica nos séculos referidos. Desde 1549, a América Portuguesa dispunha de um governador-geral nomeado pelo rei, que rece­bia poderes de fiscalização e defesa sobre o conjunto do território colonial lusitano da América. No caso da América Hispâ­nica, a administração foi descentralizada desde o início, e as possessões coloniais di­vididas em vice-reinados e capitanias. O nú­cleo da colonização espanhola era formado pelas principais áreas andinas de minera­ção, situadas no Peru e no Alto Peru (em especial Potosí, atual Bolívia). O porto de Buenos Aires, no estuário do Rio da Prata, funcionava como elo entre as zonas minei­ras andinas e os mercados europeus, escoan­do principalmente a prata contrabandeada para a Inglaterra e para a Holanda e rece­bendo, destes países, manufaturas que tam­bém penetravam ilegalmente nas possessões coloniais espanholas.
Analisando as rotas de colonização portuguesas e espanholas, percebemos que, na América Portuguesa, todas as rotas de co­lonização tinham início no litoral atlântico, enquanto na América Hispânica existiam fluxos importantes nas duas direções: do Atlântico para as regiões mineradoras e das regiões mineradoras para o Atlântico.

O povoamento no século XIX e suas consequências 
A Argentina proclamou sua independência em 1816, e o Brasil, em 1822. No momento da independência, nenhum dos dois países tinha se apropriado efetivamente de seus territórios. Na Argentina, apenas um terço do território era ocu­pado pelos herdeiros dos colonizadores, a maior parte ainda estava sob controle das populações indígenas, com as quais o país recém-independente mantinha relações conflituosas. A capital, Buenos Aires, centralizava as relações comerciais do país com o exterior, pois era o único porto internacio­nal. No Brasil, as áreas povoadas pelos herdeiros dos colonizadores portugueses equivaliam a cer­ca de metade do território, mas já existiam diver­sas cidades portuárias importantes, como Rio de Janeiro, Recife e Salvador. No Brasil, as maiores densidades demográficas estão localizadas nas proximidades do litoral, enquanto na Argentina, apesar da for­te concentração populacional na capital, Buenos Aires (onde vive cerca de um terço da população do país), existem manchas significativas de maio­res densidades demográficas situadas na porção central e oriental do território.
Se observarmos os mapas “Brasil: povoamento no início do século XIX”, na página 18, e “Argentina: povoamento no início do século XIX”, na página 19, ambos no caderno do aluno, conferimos que o território luso-brasileiro foi ocupado da costa para o interior, o que conferiu ao Brasil um caráter de povoamento predominanteniente litorâneo e certa continuidade espacial. A Argentina, por sua vez, foi ocu­pada a partir de seus extremos, o Noroeste e o Rio da Prata, e de um movimento colonizador secundário a partir do Oeste.

15. Colômbia e Venezuela: entre os Andes e o Caribe (uso do vídeo)

Neste capítulo focalizaremos as diferentes formas de apropriação do espaço co­lombiano e venezuelano. No primeiro caso, a área mais dinâmica do ponto de vista das atividades econômicas e da concentração populacio­nal situa-se na zona da Cordilheira dos Andes, que centralizava as atividades mineradoras no período colonial. No que diz respeito à Vene­zuela, a valorização do litoral é tributária das re­lações com o Mar do Caribe e foi reforçada pelo estabelecimento da economia petroleira, a partir das primeiras décadas do século XX.
Durante o pe­ríodo colonial, Colômbia e Venezuela integra­ram, junto com os atuais Panamá e Equador, o vice-reinado de Nova Granada. Os altiplanos colombianos abrigaram o mais importante nú­cleo econômico do vice-reinado, graças à pre­sença de metais preciosos. Santa Fé de Bogotá, a capital, situada a 2 600 metros de altitude, era o centro da região mineira de Nova Granada.
A Venezuela, po­bre em ouro e prata, foi considerada uma área marginal durante os primeiros tempos da colonização. A implantação hispânica no território que atualmente pertence à Venezuela se restringiu à captura de indígenas e à pecuária, atividades direcionadas para o consumo nas regiões minerado­ras da Colômbia. Os poucos produtos agrícolas da região eram comercializados pelos navios con­trabandistas que atuavam no Mar do Caribe.
Assim, desde a origem, os altiplanos andinos foram o núcleo de povoamento da Colômbia. A Venezuela, ou "pequena Veneza", nasceu volta­da para o Mar do Caribe e teria seu destino liga­do ao mar. Após a independência, os altiplanos andinos da Colômbia seriam ocupados, sobre­tudo, pelas culturas de exportação, em especial o café, enquanto o Centro-Norte costeiro da Ve­nezuela experimentaria uma valorização inédita com a descoberta e a exploração das imensas reservas petrolíferas existentes no país.
As três principais cidades venezuelanas, Caracas, Maracaibo e Valência, localizam-se na porção seten­trional do país, nas proximidades da costa. E as três principais cidades colombianas, Bogotá, Cali e Medellín, estão no sistema montanhoso formado pelas bifurcações da Cordilheira dos Andes em território colombiano.
Na Colômbia, as maiores densidades demo­gráficas situam-se nos sistemas montanhosos, e, secundariamente, nas proximidades dos portos que conectam o país ao Oceano Pa­cífico. Na Venezuela, as maiores densidades demográficas situam-se na porção setentrio­nal, ao longo da faixa costeira. Em ambos os países, as menores densidades demográficas situam-se na Amazônia, que inclui a faixa de fronteira com o território brasileiro.

Os contrastes de Caracas
Para finalizar, vamos assistir ao filme “Um olhar sobre Caracas”, produção francesa com cerca de 20 minutos de duração, que pertence ao acervo da TV Escola. O filme analisa o cotidiano dos moradores e os contrastes sociais que fazem parte da paisagem da cidade. Após a exibição, produzam um texto sobre o filme, em forma de crítica jornalística. A crítica é um tipo de texto que descreve um objeto cultural, como um filme ou um livro, ressaltando suas particularidades e seus as­pectos positivos e negativos. Trata-se, por­tanto, de um tipo de texto argumentativo, pois o autor deve apresentar argumentos que fundamentem sua opinião a respeito do objeto analisado.

16. Haiti e Cuba: as revoluções (uso do atlas)

A escolha de Haiti e de Cuba tem como objetivo a discussão das alternativas de desenvolvimento independente dos países latino-americanos. Apesar de o Haiti ser resultado da primeira grande revo­lução americana de escravos, que culminou com a formação do país em 1804, a sociedade local não conseguiu romper as amarras de uma estrutura conservadora de poder, que manteve o controle centralizado do Estado e da propriedade privada.
Por sua vez, a radicalização da revolução cubana rumo ao socialismo pode ser relaciona­da à tentativa de intervenção militar frustrada (desembarque na Baía dos Porcos, em 1961) e ao bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos, desde 1962 - que provocou o isola­mento do país no continente.
Tendo em vista as características específicas dessas revoluções populares, vamos refletir a respeito das perspec­tivas de desenvolvimento regional, compa­rar esses diferentes processos e utilizar diver­sos indicadores socioeconômicos de forma a elaborar a sua própria síntese.
Como introdução, uma linha do tempo com os princi­pais acontecimentos relacionados às revoluções de Haiti e de Cuba estão nas páginas 25, 26 e 27 do caderno do aluno. Tal forma de representação gráfica é de interesse da Geografia, na medida em que promove o exercício de lidar com escalas de proporcionalidade entre fatos ocorridos no decorrer do tempo e o espaço da represen­tação na folha de papel.
Com base nas duas linhas do tempo, podemos estabelecer individualmen­te comparações entre Haiti e Cuba:
  • Semelhanças entre Haiti e Cuba
- Ilhas localizadas no Mar do Caribe, conquis­tadas por Colombo no final do século XV;
- Exploração pelos colonizadores europeus para a produção da cana-de-açúcar, cuja mão de obra era baseada no trabalho es­cravo africano;
- Ocupação dos Estados Unidos da Améri­ca, que exerceram controle sobre a região a partir do final do século XIX;
- Domínio de ditaduras por longos períodos e ausência de tradição democrática.

  • Diferenças entre Haiti e Cuba
- A revolução popular no Haiti antecedeu a revolução cubana em mais de 50 anos, mas não conseguiu romper as estruturas de po­der da elite local;
- Aproximando-se do modelo soviético, a re­volução cubana radicalizou-se na propor­ção em que os Estados Unidos da América impunham sanções econômicas ao país;
- O fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, em 1991, provocou uma crise eco­nômica profunda em Cuba, mas o país está se recuperando com o desenvolvimento de novos setores econômicos, como o turismo. As perspectivas do Haiti são sombrias. As instituições do Estado estão destruídas e a população pas­sa por problemas gravíssimos, como a fome.
            A língua oficial do Haiti é o francês e de Cuba, o espanhol. A língua na América Latina é bem diversificada, em função do passado colonial, já que a maior parte dos países adotou a língua dos colonizadores:
- Espanhol: Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai, Venezuela;
- Francês: Haiti;
- Holandês: Suriname, Antilhas Holandesas;
- Inglês: Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Belize, Dominica, Granada, Guiana, Jamaica, Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Trinidad e Tobago;
- Português: Brasil.
            Alguns países possuem mais do que uma língua oficial, como o Haiti (francês e crioulo), Bolívia e Peru (espanhol e quíchua).

Indicadores sociais e de Cuba e Haiti
Para aprofundar o conhecimento dos países do Mar do Caribe, explore um mapa político da região em um atlas geográfico escolar. Observe o mapa político da América Central.
Podemos dividir a América Central em dois blocos de países: continentais e insulares (ilhas). Os países da América Central continental são Guatemala, Belize, Honduras, El Salvador, Nicarágua, Costa Rica e Panamá e os insulares são Bahamas, Cuba, Jamaica, Haiti, República Dominicana e os países das pequenas Antilhas. A  região é banhada pelo Mar das Antilhas ou Mar do Caribe. Cuba está localizada ao sul do Trópico de Câncer, separada dos Estados Unidos da América apenas pelo Estreito da Flórida. O país está localizado a sudoeste das Bahamas, a noroeste do Haiti e ao norte da Jamaica. Com relação ao Haiti, o país divide a Ilha Hispaniola com a República Dominicana. A República Dominicana, na porção oriental, formou-se a partir da colonização espanhola. O Haiti, na porção ocidental, formou-se a partir da colonização francesa e da revolta dos escravos.
Analise a situação social e econômica de Cuba e do Haiti, comparando estes países com os seus vizinhos da América Central, baseando-se em alguns in­dicadores apresentados na tabela “América Central: alguns indicadores”, na página 29 do caderno do aluno.
Antes, vamos conceituar os seguintes indicadores:
- Produto Interno Bruto (PIB): valor total da riqueza produzida em um país, calcula­do geralmente no período de um ano. São considerados os bens (automóveis, gela­deiras, televisores, produtos agrícolas e in­dustriais etc.), serviços (bancos, hospitais, escolas etc.) e atividades comerciais reali­zadas dentro do país por empresas nacio­nais e estrangeiras;
- PIB per capita: calculado dividindo-se o valor total da riqueza produzida no país pelo número de habitantes;
- Expectativa de vida ou esperança de vida: estimativa do tempo de vida da população do país, em linhas gerais, caso sejam man­tidas as condições atuais;
- Taxa de adultos analfabetos: calculada a partir do total da população acima de 15 anos que não sabe ler nem escrever. Eviden­temente, tal condição resulta num processo de exclusão cultural e reflete as condições de vida da população;
- População Economicamente Ativa (PEA): calculada considerando-se o total da po­pulação entre 15 e 60 anos, representando a força de trabalho existente no país.
A partir da análise, podemos concluir que estamos trabalhando com dois países em posições extre­mas. Cuba é o país com a melhor situação social e econômica da região, enquanto o Haiti é o país mais pobre e com piores índices socioeconômicos.

A situação política de Cuba e Haiti

Vamos analisar as características da economia do Haiti e de Cuba em trechos de dois artigos publicados, em abril de 2008, no jornal Folha de S.Paulo: “Protestos contra a fome crescem no Haiti” e “Cubanos absorvem discurso da mudança sem loucuras”, nas páginas 30 e 31 do caderno do aluno.

14 comentários:

  1. Muito obrigado, Profª Celina! Comecei a dar aulas este ano, sou formada em ciências sociais mas dou aulas de geografia e a escola em que leciono não possui material didático de apoio ao professor, há somente o caderno do aluno.. este tema é díficil encontrar mas seus textos são ótimos! Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Giszlen

      Realmente, sem o caderno do professor é praticamente impossível trabalhar, mesmo com nosso conhecimento e nosso Google.

      Que bom poder de alguma forma ajudá-la.

      Se encontrar algum erro, me comunique.

      : )
      Profa. Celina

      Excluir
  2. boa tarde professora Celina!
    Vou utilizar seus textos para trabalhar com meus alunos.

    abraços e parabéns.

    Paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo,

      Que bom poder ajudá-lo de alguma forma!

      Se encontrar algum erro, me comunique.

      Abçs,
      Profa. Celina

      Excluir
  3. Profa Celina,

    Gostaria de saber em que livros podemos encontrar todos estes assuntos acima relacionados.

    Obrigada!
    Janaina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Janaina.

      Difícil responder, pois não são todos os livros didáticos que abordam os textos da forma que o programa "SP faz escola" montou.

      Para complementar o conteúdo, muitas vezes pesquisei na internet.

      Trabalho de formiguinha, sabe?

      O mesmo precisaria fazer com os didáticos que você utiliza ou encontra na biblioteca.

      :)
      Profa. Celina

      Excluir
  4. olá profª celina , gostaria de saber onde a senhora conseguiu o filme 'reino nas nuvens - série terras misticas - the duncan group'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi teenblog (não colocou seu nome, rs)

      Pois é, não encontrei.

      Fiz várias pesquisas, procurei em diversas escolas, na internet e nada.

      O último professor que usou o vídeo da escola, não devolveu.

      :/
      Profa. Celina

      Excluir
  5. professora boa parte desses textos foram extraidos do caderno do professor, só eles bastam para que eu consiga uma aula boa com os alunos ou é necessario mais textos complementativos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luis,

      Depende do seu tempo disponível.

      Sempre é interessante complementar com outros textos ou recursos, mas nem sempre dá.

      Muitas vezes terminamos o caderno do 4o. bimestre daquele jeito.

      ; )
      Profa. Celina

      Excluir
  6. professora celina adorei a minha professora pasou um pesquisa para aminha sala para pegar as coisas mais interesantes do texto


    adorei o texto prestei bastante atensao nele vou ver que nota eu tiro e te falo tomara que vou bem

    outro dia entro denovo para ve se vc me respondeu

    e se vc pode me passa eu te agradeso

    ResponderExcluir
  7. Olá professora Celina,

    Utilizei muito seu texto na minha pesquisa escolar, muito obrigado! Que Deus te abençoe, até mais.

    ResponderExcluir
  8. OLA EU UTILIZEI SEU TEXTO PARA MINHA PESQUISA DE O 0 A 10 NOTA 100
    MUITO BOM PARABÉNS

    ResponderExcluir